Helder


Eu estava na escuridão. Um vazio me cercava. Eu era fogo e trovão, êxtase e memória. Uma última dor e uma dormência eterna. Uma voz adentrou minha mortalha, ela me chamou para fora. "Eu sou a magia". A última dor revisitou-me, eu caí sem fôlego, a dor ainda comigo, o desespero ainda sorrindo.

Às minhas costas, as ruínas me observam. Sei que vim de lá, embora não pertença aquele lugar. Recomponho-me. A Armadura ainda pesa. A manopla movimenta-se sem objetivo. Quero proteger meus olhos. Ergo a manopla diante de meu rosto e nela observo o símbolo do Guardião. Sussurro seu nome balbuciando-o como se esta fosse minha primeira palavra. AS árvores ao eu redor nada respondem.

Cambaleio à frente. O sol é inclemente. Demoro a acertar meus passos. Distancio-me com esforço. Quero sair daqui, quero descobrir o que aconteceu. Quero proteger o que deixei para trás.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Regras da Casa - Estilo de Trovadores da Espada

Tesouros Antigos da História Seldarine