Tomo de Arquivos II - 12.376 AC - Bilbioteca de Encontro Eterno: A Família Tamassir

Quando Netheril se fez cidade unificada, em -3859 CV, uma pequena família de mercadores trocava artigos e conhecimentos com os povos élfico e anão que viviam nas proximidades, os Tamassir. Eles eram liderados por Arian Tamassir, uma viúva sagaz de temperamento forte e voz altiva. Através de seu jeito extrovertido e humilde, Arian tornou-se amiga de muitos do povo belo, aprendendo muito sobre história, comércio e retórica com eles e, dessa forma, aprimorando sua capacidade para negócios e levando sua família a uma sustentável posição social.

Arian possuía seis filhos, os garotos Ruben e Roger e as jovens Mel, Elba, Arliene e Erly. Ruben, o mais velho, era esperto e tinha tino para os negócios, fora o fato que sua ignorância e resistência à embriaguez eram, muitas vezes, as únicas formas de conversa entre anões, e sua humildade e honra eram os traços de sua mãe que o faziam realizar acordos com os elfos. Ruben foi o natural sucessor de Arian quando esta decidiu se retirar dos negócios e casar novamente, passando sua velhice em uma fazenda longe da barulheira geral da cidade. Com Ruben, a renda da família aumentou consideravelmente, tornando os Tamassir uma das famílias mais economicamente influentes de Netheril.

Ruben Tamassir
Roger Tamassir
Roger, o terceiro, era impulsivo e aventureiro. Na infância causou muita dor de cabeça a Ruben, principalmente quando decidiu que moraria com os elfos e com eles aprenderia a esgrimir espadas e a usar magias. Apesar dos apelos de seu irmão para repensar tal decisão, Roger não mudou seus desejos e passou quinze anos aprendendo as artes élficas, ao mesmo tempo que usava sua vasta inteligência para ajudar o povo belo a falar as línguas humanas e realizar negócios com outros povos. Quando voltou para casa e foi recebido por Ruben, este quase se espantou ao ver seu irmão mais novo tão amadurecido e forte, já bastante distante do moleque bagunceiro que um dia conhecera. O retorno trouxe alegria a casa Tamassir, que só durou até a noite em que Erly entrou pelos portões da residência de sua família e pediu ajuda a seus irmãos.

Mel Tamassir
Mel, a quarta, era naturalmente alegre e opiniosa, sua beleza era forte e sensual, quase selvagem. Os anões a viam como uma grande causadora de problemas, os elfos como uma força da natureza contida em um corpo humano. Em casa, era a apaziguadora, a grande diplomata, sua capacidade de resolução de pendengas era considerada épica. Muitas vezes, quando a mãe desconfiava que somente a retórica de Ruben não era o bastante para realização de algum negócio, ela pedia para Mel ir junto e, não importasse quão complicado o nó, ela descobriria como desatá-lo. Seu apego com a natureza a colocou de frente com o caminho dos caçadores que viviam em harmonia com as terras selvagens e sua fala leve, capaz de convencer qualquer um, levou-a a conhecer alguns aspectos da vida ladina. Boa parte de sua vida foi em matas ou cidades pequenas até voltar para casa.

Elba Tamassir
Arliene Tamassir
Elba, a quinta, era a mais bela rosa da casa Tamassir, e tal beleza por várias vezes a colocou em problemas, tendo de ser sempre auxiliada pelos irmãos mais velhos. Cansada de ser a vítima, mas tendo asco pelo combate direto, viu nas artes arcanas uma forma de se defender sem sujar as mãos. Quando Roger decidiu viver entre os elfos, Elba, que às escondidas já treinava o uso da arte, decidiu ir junto, vendo pelo exemplo do irmão a atitude que naturalmente não tinha. Mas os dois, ao chegarem em terras élficas, separaram-se, encontrando-se novamente anos depois. Lá, além de se tornar uma poderosa usuária de magia, arrebatou alguns corações, entre estes, o de seu mestre elfo, e tempos depois, quando voltou para visitar sua família, uma criança meio-elfo a acompanhava.

Arliene, a caçula, era a cabeça “avoada” da família. Em viagens, vivia a cantar e quando na presença de elfos, procurava logo aqueles que usavam instrumentos e levantavam o astral de todos com suas canções. Por várias vezes se perdeu dos familiares e só foi encontrada dias depois entre bardos bêbados e ladinos abusados. Quando disse aos irmãos que partiria com uma caravana de circo ninguém se espantou e, apesar dos fortes protestos de Ruben, Arian deu sua bênção à filha mais nova e a menina sumiu da cidade reaparecendo anos depois para sua última reunião de família.

Erly Tamassir
Erly, a segunda, preferiu abraçar uma fé e tornou-se clériga de uma das igrejas de Netheril – algumas pesquisas sugerem fortemente que era uma igreja de um deus solar, o caído Amanautor –, logo galgando posições até se tornar uma figura de relativa importância dentro do clero. Conhecida pela sua risada estridente e sua ajuda aos mais necessitados, assemelhava-se a sua mãe pelo jeito decidido e seguro de resolver complicações que apareciam. Não era muito bem vista pelo clero corrupto do local por sua ajuda, muitas vezes considerada “excessiva”, aos necessitados – falam de uso do dízimo para comprar comida e roupas para os mais flagelados –, mas acabou sendo muito respeitada quando recebeu uma visão de sua divindade dando-lhe uma missão, um pouco antes de sua consagração como líder da igreja. Por conta disso, no entanto, a casa Tamassir teve sua primeira grande perda, por volta de -3834 CV, e esta envolveu Erly, Roger, Mel e Arliene.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Regras da Casa - Estilo de Trovadores da Espada

Tesouros Antigos da História Seldarine